Comunidades de Açailândia protestam e fazem valer seus direitos - Blog da Kelly

Publicidade Top

quinta-feira, 29 de março de 2018

Comunidades de Açailândia protestam e fazem valer seus direitos


E assim os barracos foram armados para abrigar os moradores e moradoras das comunidades de Francisco Romão, João do Vale, Agroplanalto, Boa Esperança (Os Baianos), Novo Oriente, Planalto I e II, que ocuparam a Estrada da Sunil, via que dá acesso à região do Novo Oriente. Foram 14 dias de protestos para que acordos firmados há mais de dois anos, com a prefeitura de Açailândia (MA) e empresas que atuam na região, se fizessem cumprir na sua totalidade.



A manifestação iniciou no dia 8 de março e tinha entre suas pautas melhorias da Estrada da Sunil e das rotas escolares que estão em péssimas condições e em alguns pontos intransitáveis, reformas nas escolas dos assentamentos, saúde, transporte escolar de qualidade e instalação de iluminação pública nas comunidades.

Já nas primeiras horas, o secretário de Agricultura Oscar Fernando, compareceu ao local para dialogar com moradores e moradoras. Tendo em vista que o secretário não tinha poder para decidir sobre as pautas reivindicadas, os manifestantes pontuaram que não entrariam em nenhum acordo e que tinham uma reunião agendada na sede do Ministério Público (MP) de Açailândia, com a promotora Camila Gaspar, que acompanha o caso desde 2016 e que seria importante ter um representante da prefeitura na reunião. Segundos os manifestantes, o secretário pontuou que o prefeito não estava na cidade e que ele próprio teria outra atividade já agendada e não poderia comparecer na reunião, mas que a prefeitura enviaria uma pessoa para participar.




Assista ao vídeo feito pelo jovem Eduardo Machado, demonstrando a situação das rotas escolares







Na sexta-feira, 9, a reunião aconteceu no MP, porém contou apenas com a participação das comunidades, a rede Justiça nos Trilhos e da promotora Camila Gaspar, nenhum representante da prefeitura esteve presente. A pauta foi entregue a promotora, que indicou que tentaria articular uma nova reunião com o prefeito de Açailândia, Juscelino Oliveira, para mediar o diálogo entre a comunidade e o município, na tentativa de que a pauta fosse respondida pelo prefeito. Após a reunião as comunidades decidiram desocupar a estrada da Sunil e aguardar a convocação do MP.

Porém, temendo novamente não terem suas pautas atendidas, as comunidades voltaram a ocupar a estrada da Sunil, a 1h da manhã da segunda-feira (12), com a intenção de desocupar somente quando os maquinários começassem a executar as melhorias solicitadas, pois já tinham vários acordos firmados com a prefeitura dos quais não foram cumpridos e ficaram apenas no papel. “Já temos vários acordos e não foram cumpridos, agora queremos uma solução concreta para nosso problema”, pontuou o morador do acampamento Agroplanalto, Andriázio Ramos.




Há mais de dois anos, as comunidades da região do Novo Oriente reivindicam melhorias na Estrada da Sunil e nas rotas escolares, o MP tem acompanhando o caso e mediou alguns acordos em 2016 e 2017, destaque para o que foi firmado durante a audiência Pública, A falta de infraestrutura das estradas vicinais que permitem o acesso entre a BR 222 e as comunidades que integram a Região do Novo Oriente: como mudar essa realidade?, realizada em 2016, na câmara municipal, com a participação de representantes das comunidades, empresas e prefeitura. No acordo foi apontando o que caberia a cada um fazer para a recuperação das estradas. As empresas até fizeram algumas medidas paliativas nas estradas, que ajudaram a melhorar um pouco a trafegabilidade, porém não solucionaram o problema. A prefeitura mesmo com o acordo assinado, não executou obras na região para melhorar as estradas. [acesse aos acordos feitos durante esse período]

Publicidade Rodapé