Sarney vive síndrome de abstinência de privilégios, diz governador do Maranhão - Blog da Kelly

Publicidade Top

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Sarney vive síndrome de abstinência de privilégios, diz governador do Maranhão


O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), rebateu a acusação do ex-presidente José Sarney (MDB), que se disse perseguido pelo adversário político.

“Sarney está no poder há 50 anos, de Juscelino Kubitschek a Michel Temer. Imagina euzinho perseguir alguém? Não tem aderência, é meio jocoso ele dizer isso. Ninguém aqui leva a sério”, afirmou à Folha por telefone nesta terça-feira (31).

“A vitimização talvez seja um linha que eles [os Sarney] venham a adotar na sua retórica do desespero”, disse.

No domingo (29), ao lançar a candidatura da filha, Roseana Sarney (MDB), ao governo do Maranhão, o ex-presidente criticou o adversário.

“O governo atual, a minha impressão é que tem os olhos no retrovisor, só olha para trás e o escolhido é o Zé Sarney. Coitado de mim! Nesta idade, era para ser respeitado. Entretanto, só é acusado. Acusado de ter passado a minha vida a serviço do Maranhão”, disse Sarney no palanque, em São Luís.

O ex-senador acaba de transferir seu domicílio eleitoral de volta ao estado natal, depois de 30 anos se elegendo pelo Amapá. Flávio Dino afirmou que a acusação, que ele considerou grave, é desprovida de fundamentos. “A fundação dele está aqui, a emissora dele [Mirante, afilhada da Globo] está aqui e anunciamos nela —teve de dividir com outros veículos, mas recebeu”, disse.

Para o comunista, a tentativa de retomar o poder do clã tem razões também financeiras. “É síndrome de abstinência de dinheiro público, de privilégios. Eles sempre tiveram acesso amplo aos cofres públicos para seus negócios privados e para manter seus luxos”, atacou.

Mas o governador afirmou que a população entende que “a volta dos Sarney seria um retrocesso ao Maranhão da concentração de poder e de riqueza e uma brutal ineficiência”.

“Eles se acham donos do estado.”

A eleição no Maranhão está judicializada. Dino apelou às cortes para dar uma entrevista à rede de rádios da Mirante depois de Roseana ter tido quase meia hora ao microfone. Aliados da emedebista, por sua vez, foram à Justiça para obrigar Dino a tirar publicidade institucional do governo de suas redes sociais.

Publicidade Rodapé