Agentes de Saúde participam de capacitação para melhorar abordagem às famílias - Blog da Kelly

Publicidade Top

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Agentes de Saúde participam de capacitação para melhorar abordagem às famílias

Agentes de Saúde participam de capacitação para melhorar abordagem às famílias
Agentes Comunitários de Saúde, ACS, Agentes de Endemias e outros servidores que compõem a área da Atenção Básica em Saúde de Imperatriz participam de curso oferecido pelo Ministério da Saúde, MS. Capacitação inédita começou na segunda-feira, 17, no Campus da Universidade Federal do Maranhão, UFMA, Centro, e abrange cerca de 120 profissionais até dezembro.

O curso de Educação Popular em Saúde, EdPopSus, como o nome sugere, é promovido pelo Ministério da Saúde via Sistema Único de Saúde e ocorre em todo o Brasil neste segundo semestre.

O coordenador do Núcleo de Educação da Secretaria Municipal de Saúde, Flávio Ricelle Rodrigues detalhou que o curso tem duração de 160h. Cada dia, um grupo diferente de servidores receberá as orientações sobre como desempenhar melhor seu trabalho, principalmente, na abordagem às famílias durante as visitas domiciliares. “Neste treinamento estamos abordando a questão do escutar, do entender o que, de fato, aquela família está falando, está necessitando”, exemplificou.


Ele destacou que a capacitação é essencial para os Agentes de Saúde e Agentes de Endemias, pois lidam diariamente com as famílias e acabam se deparando com várias situações em que são obrigados a atuarem como “psicólogos, advogados, professor, conselheiros e são tidos como a peça principal da saúde básica”.

A enfermeira Rita de Cássia Freire, lotada no Departamento de Atenção Básica, DAB, avaliou o curso como de grande importância, tanto para a comunidade quanto aos profissionais. “É muito importante a questão da educação popular com quem já trabalha com a comunidade, para usarmos uma linguagem bem direcionada e objetiva”, destacou. Ela afirma que é preciso também levar em conta as diferenças sociais e econômicas e culturais das famílias, o profissional pode não compreender a linguagem, muitas vezes rebuscada e, por isso, ter problemas na comunicação.


Com 15 anos de trabalho, atualmente lotada na Unidade de Saúde do Conjunto Vitória, a agente comunitária de Saúde Maria José Sousa Pimenta conta o que está achando do treinamento. “Gostando muito dessa troca de conhecimentos e isso só vem nos acrescentar".

Além do Maranhão, recebem o curso os estados da Bahia, Ceará, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e Sergipe.

Publicidade Rodapé